A Cidade e as Serras

Eça de Queirós

You are here: Home - Uncategorized - A Cidade e as Serras


A Cidade e as Serras

A Cidade e as Serras A novela fantasista como E a de Queir s chamou Cidade e as Serras denuncia um aspecto importante da vida do escritor A partir dos trinta anos E a escreve v rias cartas aos seus amigos em que denuncia

  • Title: A Cidade e as Serras
  • Author: Eça de Queirós
  • ISBN: 9789725681268
  • Page: 214
  • Format: Paperback
  • A novela fantasista como E a de Queir s chamou Cidade e as Serras denuncia um aspecto importante da vida do escritor.A partir dos trinta anos, E a escreve v rias cartas aos seus amigos em que denuncia essa nsia por uma vida de fam lia que o retempere do descampado do sentimentalismo de que estava cansado.A autenticidade da fotografia que reproduzimos E a de Queir A novela fantasista como E a de Queir s chamou Cidade e as Serras denuncia um aspecto importante da vida do escritor.A partir dos trinta anos, E a escreve v rias cartas aos seus amigos em que denuncia essa nsia por uma vida de fam lia que o retempere do descampado do sentimentalismo de que estava cansado.A autenticidade da fotografia que reproduzimos E a de Queir s com sua filha um documento complementar deste livro, n o s por ser contempor nea da sua feitura, como pelo ambiente de paz de que express o.

    • Best Download [Eça de Queirós] ✓ A Cidade e as Serras || [Humor and Comedy Book] PDF ✓
      214 Eça de Queirós
    • thumbnail Title: Best Download [Eça de Queirós] ✓ A Cidade e as Serras || [Humor and Comedy Book] PDF ✓
      Posted by:Eça de Queirós
      Published :2018-08-25T03:00:52+00:00

    One thought on “A Cidade e as Serras

    1. Henry Avila on said:

      Jacinto, grandson of an expatriate, his Portuguese grandfather with the same name, but nicknamed , Sir Galleon, ( he was rather obese ) left Portugal, dispirited, when his King, Dom Miguel, the usurper, lost the civil war during the 1800's for the throne. So Jacinto, was born in Paris, in a palace, on the Champs-Elysees, no. 202, that his wealthy grandfather had bought, his own sickly father, "The Shadow", died (I don't have to say what his name was, begins with the letter J ) three months befor [...]

    2. Lynne King on said:

      It was thanks to Henry's excellent review on this book that I recently purchased it. It was the "Library with the 30,000 books" and all of "the gadgets" that Jacinto had, that enticed me.I was so taken with this book that I made notes galore and started typing the review. There were so many excellent quotations that stayed in my mind. Consequently, after typing several pages as I was "in full flight", I decided to cut it down considerably and so this is the result. I believe, and hope, it gets t [...]

    3. Carmo on said:

      Fundação Eça de Queirós - Tormes - Santa Cruz do DouroA Cidade e as Serras foi o último livro escrito por Eça de Queirós (publicado já após a sua morte), e é mais um exemplar delicioso de ironia e comicidade.(view spoiler)[O enredo é simples e faz jus ao título. Para o provar estão as andanças de Jacinto - “Príncipe da Grã-Ventura”, descendente de uma extensa linhagem de Jacintos lusitanos. Nascido e criado no 202 dos Campos Elísios, prospera rodeado de todos os bem-estares [...]

    4. Maria João on said:

      8 de 10*Antes de mais, gostaria de referir que, na minha opinião, com “Os Maias”, Eça de Queiroz elevou a fasquia. Adorei a sua escrita, os seus personagens e o seu enredo. Em “A Cidade e as Serras” o autor centrou-se muito mais nas descrições de locais e culturas e na grande diferença existente entre as riquezas da cidade e a simplicidade da aldeia, do que propriamente nos personagens e nas suas vivências. Talvez por isso, achei este livro um pouco maçudo e mais difícil de ler. [...]

    5. Sérgio on said:

      Eça de Queirós é um homem de surpresas. Tal como um prestidigitador, consegue, a cada passo, surpreender-me com algo que não esperava, de todo. A Cidade e as Serras não é excepção. Estamos perante a primeira obra póstuma de Eça, publicada um ano após a sua morte. É uma novela que, creio não se saber, pelo menos, não obtive essa informação, não terá sido revista pelo autor, logo não sei até que ponto teria sido modificada se fosse dada ao prelo em vida do próprio. Facto que p [...]

    6. Carla on said:

      Desde que li os Contos de Eça que fiquei interessada neste livro, pois o conto que mais adorei, "Civilização", deu origem a esta história. Resolvi lê-lo em férias, no Norte onde passei umas semaninhas com a família, porque me pareceu apropriado. Era para ter levado o livro mas resolvi trazer a versão e-book no Kindle pois, tal como Jacinto, quis levar um pouco da civilização comigo, para o meio rural. :P Não me arrependo, até porque contribuiu para uma leitura interessante e identifi [...]

    7. Sara on said:

      A Cidade e as Serras de Eça de Queirós é uma adaptação do conto A Civilização presente na sua obra Contos. Jacinto pertencente à elite portuguesa é descrito pelo olhos do seu amigo José Fernandes. Jacinto vive em Paris junto de toda a civilização, de todo o progresso tecnológico, no seu tão aclamado 202, repleto das últimas invenções e atulhado de livros que nunca terá tempo para ler. Mas surge o momento em que terá de visitar a sua quinta na serra de Tormes, no Douro, desprov [...]

    8. Beatriz Canas Mendes on said:

      Adoro a escrita de Eça de Queirós. Como referi na minha review ao seu livro "A Capital!", mesmo quando existem repetições frequentes de palavras (quase icónicas, simbólicas do autor), a fluidez gramatical, as expressões utilizadas e todo o aparato vocabular de Eça são de se lhe tirar o chapéu.Falando mais particularmente deste livro "A Cidade e as Serras", tenho a avisar futuros leitores que é necessária alguma força de vontade para ultrapassar certas fases menos dinâmicas da hist [...]

    9. Gustavo Marques on said:

      Livro incrivelmente desinspirado de Eça de Queirós. Menos mordaz e emocionalmente retrógrado. As personagens não superam, e menos ainda se apresentam como a síntese da contradição dialéctica entre campo e cidade. Conduz o leitor a ilusões inúteis.

    10. Tiago Chaves on said:

      O livro está dividido, mais ou menos, em duas partes. Não gostei muito da primeira e a segunda foi boa. O Eça transmite-nos bem as sensações que o Jacinto está a vivenciar, assim a primeira parte, para mim, é uma "seca" e uma "maçada" e a segunda parte torna-se mais prazerosa.É uma homenagem ao que é simples e português.

    11. Alta on said:

      This novel is a masterpiece and the translation is outstanding. Its premise--the conflict between Nature and Civilization (today we would say "technology")--could have easily turned it into a schematic or dogmatic book. Instead, this is a captivating novel written in a sophisticated style. And for those fascinated with technology (but not necessarily enslaved by it), a very useful read.

    12. João Costa on said:

      Ultrapassado o stress pós traumático das enumerações do Ramalhete, torna-se de fácil leitura.

    13. Hermínia on said:

      A releitura deste livro, por motivo profissionais, foi a mais prazerosa e divertida do ano (e confesso a única) . Voltar a conhecer, conviver e viajar com Jacinto, foi uma das mais agradáveis surpresas do verão de 2017. Acho que vou começar uma tradição :)) no verão uma poltrona, à sombra de uma árvore frondosa no Minho profundo, e reler "o meu querido Eça" como diz a minha Mãe, ela devo o gosto por Eça e pela leitura!!!A edição que escolhi para esta releitura foi a da editora Guer [...]

    14. Isabel Maia on said:

      Tal como o título indica, neste livro existe o contraponto entre duas realidades distintas. De um lado, a Cidade. A modernidade, a civilização, o ócio e as festas provocam em Jacinto sentimentos como a melancolia, o aborrecimento, o cansaço. Do outro lado, a Serra. Jacinto no reencontro com a velha casa da família, em Tormes, renova-se, numa atitude de encantamento. Integrando-se na vida produtiva do campo, Jacinto aplica os seus conhecimentos técnicos e científicos à situação concret [...]

    15. André on said:

      A Cidade e as Serras nasce a partir do conto Civilização de 1892 e mantém-se na minha opinião, tal como na opinião de alguns críticos como um conto também, desenvolvido, alongado mas não um romance. Considerado por uns uma obra menor em relação a outras maiores, é simultaneamente uma obra maior para outros, no qual me incluo e que suscita as dúvidas pertinentes de qual teria sido a razão que teria levado Eça de Queirós a escrever um conto desta natureza, pois não encontramos a de [...]

    16. Dulce on said:

      A Cidade e as Serras é uma obra que oscila entre a iluminada Paris nos finais do séc. XIX e as prósperas serras do Baixo Douro, contando a história de um personagem que vive intensamente a urbe e tudo o que ela tem para oferecer, até que um dia acaba por se entediar com a civilização e rende-se à pacatez das serras de Portugal.A dicotomia entre o urbano e o rural é tecida de forma muito interessante pelo autor, que descreve como ninguém quer a cidade, quer as serras. Eça usava de um v [...]

    17. Sofia . on said:

      O 202, como é sempre referido o palácio de Jacinto é um autêntico museu da bugiganga, com máquinas e acessórios para fazer todo o tipo de serviço, e uma vasta biblioteca com livros dos grandes pensadores de todas as áreas da ciência. E isto era a civilização, rica em conhecimentos e novas engenhocas desenhadas para facilitar o dia a dia dos aristocratas de Paris. Só que para Jacinto tudo era aborrecido, uma maçada. Viver sem toda aquela civilização seria impensável, mas por outro [...]

    18. Maria Carmo on said:

      I read most of Eça's books when I was young, between 17 and the end of University (around 23, 24).I love Eça because his Portuguese is wonderfully written, he has a unique sense of humor and the picture he draws of Portuguese and European society, with all its cynicism and "show off" and pretense is still quite present in certain extracts of societyThis particular book compares refined Paris with coming back to the family House and Farm in interior Portugal - trading the sophistication of Pari [...]

    19. Clara on said:

      No doubt my favorite José Maria de Eça de Queirós book. I am a big fan of all his books, but this autobiography is the best. Completely different in style and in content. Look for the english version in The City and the Mountains New Directions Paperbook

    20. John Astore on said:

      Costa did a terrific job translating. I believe she's translated other Eca de Queiros works, too. I love the theme: contrasting the City and Nature. One can easily inject oneself into various roles of the personages; the characters are aloof, but nothing surreal. He writes in the late 1800s, which makes the novel more real because of the connection to Nature which many people still had, even within Paris and the rest of Western Europe. Eca de Queiros quickly became one of my favorite authors.

    21. Barbara on said:

      I honestly don't think I would have liked this even if I was reading it because I wanted to.

    22. Erika on said:

      Delightful story focused on the theme of countryside (Portugal's)/city (Paris).

    23. Newton Nitro on said:

      A Cidade e as Serras – Eça de Queiroz | Pelo retorno a natureza do Homem do Século 19! | Leya 2010,(1ed, 1901), 240 páginas | Nota 4 em 5 | Lido de 10.08.16 a 11.08.16 | NITROLEITURAS #resenha Uma ótima surpresa do Mestre Eça, uma ácida e bem humorada crítica da loucura da vida urbana-consumista-alientada da alta burguesia, divertida de se ler!SINOPSEA Cidade e as Serras é um romance de Eça de Queirós, publicado em 1901, pertencente à última fase do escritor, onde se afasta do real [...]

    24. Tiago Vinagre on said:

      Na verdade, nunca passei dar tão poucas estrelas a um livro de Eça de Queirós, que, para mim, é o melhor escritor português de sempre, mas este foi uma desilusão enorme. São 233 páginas para contar algo que poderia ter sido feita numas míseras 35, tão pouca foi a ação que este livro viu; talvez se devesse ter ficado pelo conto "Civilização" e não o ter tentado (sim, tentado) passar a um romance. Posto isto, a única coisa boa que saliento nesta obra é a questão filosófica do ca [...]

    25. Juliana Costa on said:

      Esse é o tipo de livro com humor sutil e inteligente, assim como a construção do livro; apesar de Jacinto ser o personagem principal, só conhecemos dele o que Zé Fernandes conhece, mas não fica superficial e nem forçado, fica de uma maneira surpreendentemente natural.Paris me pareceu um pouco exagerada, mesmo representando a "civilização", mas dou um desconto, porque a cidade nunca pareceu tão engraçada e de certa forma ridícula como neste livro.

    26. Maite on said:

      Por várias vezes me pareceu que esse livro não tinha realmente um rumo, que era só um estudo regionalista do autor, exemplificando como a serra sobrepõe a cidade. Chega a ser um pouco engraçado quando o Jacinto está a caminho de Portugal e quando se acostuma a sua terra e tenta socializar tudo mas ao final fico com a impressão que li um livro obrigatário para o vestibular.

    27. Nuno Neves on said:

      Ler "A Cidade e as Serras" é mergulhar num universo queirosiano distinto daquele que nos aparece em "O Primo Basílio" e "O Crime do Padre Amaro". Recomendo a todos aqueles que gostam da escrita de Eça e que gostam de refletir sobre a dicotomia da vida na cidade vs. a vida no campo.

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *